GUERRAS MUNIDAIS

Adolf Hitler - Primeira Guerra Mundial

Nascido em 20 de abril de 1889, em Braunau am Inn, uma pequena cidade da Áustria perto de Salzburgo, fronteira com a Alemanha, Adolf Hitler foi atraído pela força e pelo poder do Império Alemão, que, ao contrário do Império Austro-Húngaro, estava em pleno crescimento. Ele se mudou para Munique em 1913 para fugir do serviço militar, pois não queria ficar ao lado de eslavos e judeus. Depois, declarou ter abandonado a Áustria porque “a mistura de raças em Viena era repugnante”.

Em 1914, as autoridades austríacas o encontraram e exigiram que ele retornasse para realizar seu exame médico. Hitler, então, viajou a Salzburgo, onde foi examinado em 5 de fevereiro, sendo declarado não apto para prestar o serviço militar. Em 28 de julho de 1914, iniciou-se a Primeira Guerra Mundial. Uma semana depois, Hitler apresentou-se como voluntário ao exército alemão, sendo designado a um regimento bávaro.

Com apenas três meses de treinamento, ele foi enviado à Frente Ocidental. Hitler serviu na França e na Bélgica como mensageiro da Primeira Companhia do 16º Regimento de Infantaria de Reserva Bávaro, atuando na linha de força inimiga. Ele participou também da Primeira Batalha de Ypres, na qual sua unidade foi dizimada em quatro dias. Ao fim do conflito, de 3.500 soldados, sobraram somente 600 para seguir em combate.

Em outubro de 1916, no norte da França, Hitler foi ferido, retornando à Frente em março de 1917, quando foi promovido à patente de cabo. Ele só não recebeu uma promoção maior porque consideraram que lhe faltava liderança. Hitler foi condecorado duas vezes: recebeu a Cruz de Ferro de Segunda Classe em 1914 e a Cruz de Ferro de Primeira Classe em 1918.

Adolf Hitler foi considerado um bom soldado, embora não fosse querido entre seus companheiros, por causa de sua atitude submissa em relação aos seus superiores. “Respeitar o superior, não contradizê-lo e obedecer às cegas”, ele disse em seu julgamento em 1923. Ele nunca pediu a permissão para abandonar a Frente (apesar de ter ido a um hospital em Berlim enquanto se recuperava de uma ferida na perna). Segundo Hitler, a Alemanha perderia a guerra por causa dos judeus e dos marxistas, a quem ele acusou de roubar a nação e não prestar serviço militar.

Em outubro de 1918, pouco antes do final da guerra, Hitler sofreu uma emboscada em um ataque de gás venenoso britânico próximo a Ypres. Depois de ficar temporariamente cego por causa dos gases tóxicos (segundo o pesquisador Bernhard Horstmann, sua cegueira temporal pode ter sido resultado de uma reação histérica à derrota da Alemanha), teve que ficar um tempo em um hospital de campanha. Quando foi informado de que a monarquia havia sido deposta e que um armistício seria assinado, dando a guerra por pedida, declarou: “Tudo ficou negro novamente diante de meus olhos”.

Ele retornou a Munique em 1919. Pouco depois de sua chegada, o governo soviético foi derrotado pelo exército alemão e pelos paramilitares conservadores. Hitler foi incumbido, então, de seu primeiro trabalho político: investigar os membros de sua unidade que haviam colaborado com o governo soviético. Ele afiliou-se ao Partido dos Trabalhadores Alemães, precursor do Partido Nazista, em 1919, emergindo como seu líder em 1921.