GUERRAS MUNIDAIS

Andrew B. Cunningham

Andrew Browne Cunningham, Primeiro Lorde do Mar da Frota Britânica, comandou as forças navais de seu país durante a Segunda Guerra Mundial, tendo como missão a segurança dos comboios que se movimentavam entre o Egito e Malta.

A. B. Cunningham nasceu em 2 de janeiro de 1983, em Dublin, Irlanda. Aos 10 anos de idade, foi alistado em uma academia naval, começando assim a sua relação com a Marinha Real. Durante a Primeira Guerra Mundial, comandou o destroier Scorpion e foi altamente condecorado por suas ações.

Em seguida, durante o período de paz entre as guerras, Cunningham aproveitou seu tempo para praticar manobras com sua frota, onde aprendeu os riscos e as virtudes de ações noturnas, aperfeiçoando assim as técnicas que depois utilizaria na Segunda Guerra Mundial.

Assim que a Segunda Guerra Mundial começou, foi nomeado Comandante Encarregado do Mediterrâneo, com a missão de proteger e conservar Malta, um ponto estratégico crucial em estado de guerra.

A principal ameaça a Cunningham era a Marinha Real Italiana, que contava com uma frota considerável e teoricamente superior à britânica. Preocupado com a ameaça italiana, planejou a "Operação Juízo", um ataque-surpresa sobre o porto de Tarento, onde se instalava a maior parte da frota italiana.  O ataque foi um grande êxito, a frota italiana perdeu a metade de seus efetivos em apenas uma noite. Com essa operação, a Marinha Real conseguiu lançar o primeiro ataque totalmente aéreo da história. Acredita-se que esse ataque foi conscientemente estudado pelos oficiais japoneses durante o planejamento do ataque sobre Pearl Harbor.

Na batalha do Cabo Metapan, Cunningnham aplicou todos os seus conhecimentos sobre o combate naval noturno, conseguindo uma vitória estratégica que resultou no abandono das bases no Mediterrâneo por parte da Marinha Real Italiana.

Em 20 de maio de 1941, Cunningham liderou o resgate de 22 mil homens de Creta, no que parecia uma missão suicida. Cunningham insistiu que a Armada não poderia abandonar o Exército nessa operação que precisava de proteção aérea; e quando foi acusado pelos generais do Exército que muitos barcos foram perdidos, Cunningham disse a famosa frase: "Custa três anos para construir um barco; e custa três séculos para construir uma tradição". Graças à atitude de Cunningham, 16.500 dos 22 mil foram resgatados.

Em 21 de outubro de 1943, Cunningham foi nomeado Primeiro Lorde do Mar e Chefe do Estado Maior Naval, sendo responsável pela Armada durante o restante da guerra. Participou do desenvolvimento da estratégia que incluía o desembarque na Normandia.

Cunningham faleceu em Londres em 12 de junho de 1963. Seus restos mortais descansam no mar.