GUERRAS MUNIDAIS

Billy Bishop

Billy Bishop foi um piloto canadense, reconhecido mundialmente por causa de seu recorde de vitórias na Primeira Guerra Mundial. William Avery Bishop nasceu em Owen Sound, Ontário, no Canadá, em 8 de fevereiro de 1894. Ele estudou no Royal Military College e, posteriormente, ingressou na Força Expedicionária Canadense. Em dezembro de 1915, uniu-se ao Royal Flying Corps (RFC), onde suas primeiras tarefas foram como observador no 21º esquadrão. Seus primeiros voos foram muito acidentados, chegando, inclusive, a fraturar o joelho. Mesmo assim, em outubro de 1916, conseguiu superar as provas realizadas e se tornou um piloto da Força Aérea.

Em março de 1917, foi transferido para a França e designado ao 60º esquadrão na Filescamp Farm. Apesar de seus voos continuarem acidentados, ele obteve vitórias que lhe permitiram manter-se na França. Em 25 de abril, foi promovido a Capitão e condecorado com a Military Cross pelas 17 vitórias conquistadas nesse período.

Na Primeira Guerra Mundial, Bishop ficou conhecido por realizar voos solitários, o que lhe valeu o famoso sobrenome de “O Falcão Solitário”. Sem dúvida, a ação pela qual é mais lembrado é sua incursão, em 2 de junho de 1917, em um aeródromo alemão em Esnes, onde atacou a base durante a madrugada, derrubando 3 aviões. O fato de seu avião ter aterrissado quase destruído contribuiu para que sua façanha se difundisse com rapidez e fosse considerada uma das maiores ações realizadas por um só homem na guerra. Pouco depois, foi condecorado com a “Victoria Cross” por este ataque.

Apesar da recusa, já que sua intenção era seguir em combate, foi chamado para a Inglaterra para que desempenhasse o papel de instrutor e sua vida não corresse mais riscos. Dessa maneira, deixou o 60º Esquadrão com 50 vitórias em seu currículo.

Bishop retornou à França em maio de 1918 após adicionar mais 3 vitórias ao seu recorde. Em seguida, foi enviado para apoiar a formação de pilotos na “Royal Canadian Flying Corps”. Ele saiu da França com um recorde final de 72 vitórias.

O piloto foi condecorado por seus atos corajosos na guerra com a “Distinguished Flying Cross”, na Inglaterra, e com a nomeação de “Chevalier de Legión d’Honneur” e a “Croix de Guerre avec Palmes”, na França.

Após o final da Grande Guerra, Bishop se dedicou aos negócios, porém, durante a Segunda Guerra Mundial, trabalhou para a Força Aérea Real do Canadá (RCAF), recrutando pilotos e ostentando a patente de marechal. Em 1952, aposentou-se e, em 11 de setembro de 1956, faleceu em Palm Beach, na Flórida.