Chico Anysio

Chico Anysio

Francisco Anysio de Oliveira Paula Filho, mais conhecido como Chico Anysio, foi um humorista cuja história se confundiu com o surgimento da televisão brasileira. Ele criou personagens que entraram para o imaginário nacional como “o Professor Raimundo”, com o bordão "“E o salário, ó!”". Ao todo, foram mais de 200 personagens em 65 anos de carreira. Além de humorista, Chico também foi ator, dublador, escritor, compositor e pintor.

Nascido no dia 12 de abril de 1931, em Maranguape, no Ceará, Chico Anysio morreu no dia 23 de março de 2012, no Rio de Janeiro, após uma parada cardiorrespiratória, causada por falência múltipla dos órgãos, decorrente de choque séptico por infecção pulmonar. Ele teve oito filhos e completaria 81 anos.

 

Professor Raimundo

Tem coisa que não se discute: filhos detonam qualquer casamento. São maravilhosos, mas fatais.

O humorista começou a carreira na década de 50, na Rádio Guanabara, onde ficou evidente o seu “talento para imitar vozes”. Em 1957, ele fez sua estreia na telinha, na extinta TV Rio, onde criou o personagem “Professor Raimundo”. Seus programas de maior sucesso foram na Rede Globo, onde comandou “Chico City” (1973-1980), “Chico total” (1981 e 1996, em períodos espaçados) e “Chico Anysio Show” (1982-1990), além da "Escolinha do Professor Raimundo", quadro cômico exibido em diversos humorísticos por mais de 38 anos, período em que reuniu muitos dos maiores nomes do gênero no Brasil.

Não sou consumidor de maconha porque sofro de depressão. Mas pior do que ela é o cigarro, que me causou um infarto.

Inspirado no fomato de um programa de rádio dos anos 30, a Escolinha do Professor Raimundo surgiu pelas mãos do também humorista Haroldo Barbosa, que levou o projeto para a Rádio Mayrink Veiga para ser comandado por Chico Anysio.Com o sucesso na rádio, o programa ganhou sua versão na televisão em 1957, como quadro do Noite Cariocas, da TV Rio. A Escolinha ainda passou pelas TVs Excelsior e Tupi antes de chegar à Rede Globo, em 1973.

 

Carreira como escritor

Quem é casado há quarenta anos com dona Maria não entende de casamento, entende de dona Maria. De casamento entendo eu, que tive seis.

Como escritor, o humorista foi autor de 21 livros, entre eles sucessos da década de 70 como "O Batizado da vaca", "O telefone amarelo" e "O enterro do anão". Sua última obra foi “O canalha”, lançada em 2000. Ele foi casado cinco vezes, sendo que o seu relacionamento mais conhecido foi o com a ex-ministra da Economia do governo do presidente Fernando Collor, Zélia Cardoso de Mello, —com quem teve dois filhos.

 

Foto: José Cruz/ABr (Agência Brasil [1]) [CC BY 3.0 br], via Wikimedia Commons