GUERRAS MUNIDAIS

David Lloyd George

David Lloyd George foi o primeiro ministro britânico que esteve a mando do governo durante os anos que desataram a Primeira Guerra Mundial. Além disso, ele também assumiu o cargo no período pós-guerra.

Lloyd George nasceu em 17 de janeiro de 1863, em Manchester, na Inglaterra, e passou uma parte de sua infância e juventude no País de Gales. Lá, entrou rapidamente para a política. Ele começou como estagiário em um escritório de advocacia e, ao mesmo tempo, passou a atuar como ativista político. Em 1890, foi eleito deputado pelo Partido Liberal na Câmara dos Comuns. Mais tarde, quando foi ministro da fazenda, propôs a criação de um sistema de seguros sociais de saúde, invalidez e desemprego, os quais, ao longo dos anos, assentaram a base do que logo seria conhecido como o estado do bem-estar social.

Com a eclosão da grande guerra, Lloyd George foi nomeado ministro das munições, com a tarefa de organizar a indústria britânica de armamento. Em 1916, esteve no comando do ministério da guerra e, após a demissão de Herbet Henry Asquith, passou a ocupar o cargo de primeiro ministro britânico, representando a coalização formada por conservadores e liberais.

No período de guerra, Lloyd George soube manejar com habilidade a diplomacia internacional, enquanto mobilizava as forças militares e civis da Grã-Bretanha. George foi um defensor ferrenho das políticas beneficiárias para os trabalhadores e, apesar da guerra, tentou fazer valer a prevalência do poder civil sobre o militar. Graças à essas políticas, ele conseguiu atenuar os conflitos durante a guerra e evitar uma grande convulsão social nos anos pós-guerra.

Terminada a guerra, seu papel durante o Tratado de Versalhes foi polêmico, porém visionário. Ele defendeu uma política mais conciliadora com a Alemanha, enfrentando, assim, a dura posição francesa, liderada por Clemenceau, que possuía certos ares de revanche contra o país germânico. Além disso, quis revisar as reparações de guerra exigidas à Alemanha para facilitar a recuperação econômica da Europa, mas essa iniciativa também foi frustrada pelo governo francês. É sabido que as duras exigências acordadas no Tratado de Versalhes foram, em parte, as causas do movimento político alemão que acarretaria na Segunda Guerra Mundial, e Lloyd George tinha a consciência de que algo desse tipo poderia acontecer.

Embora reconhecesse a extrema dureza com a qual a Alemanha foi tratada após a guerra, tendo, inclusive, encontrado com Hitler em 1936 com o objetivo de persuadi-lo a não utilizar a violência, Lloyd George se opôs à política de abrandamento, levada adiante pelo conservador Chamberlain, já que adotar essa posição lhe parecia muito tarde e só poderia trazer consequência ainda piores. Lloyd George morreu em 26 de março de 1945.