GUERRAS MUNIDAIS

Nicolau II

Nicolau II, da Rússia, foi o último czar russo antes da revolução bolchevique de 1917. Ele nasceu em 18 de maio de 1868 em São Petersburgo, na Rússia. Filho do czar Alexandre III, foi educado dentro dos cânones rígidos da corte russa. Em 1894, após o falecimento de seu pai, Nicolau foi coroado seu sucessor. De acordo com suas próprias palavras, ele não possuía formação política e ignorava grande parte da administração do governo imperial. Tratava-se um homem de natureza tímida, que temia partilhar suas ideias, mas que era, ao mesmo tempo, inteligente, honrado e meticuloso.

Houve duas pessoas que influenciaram profundamente a vida e as decisões de Nicolau II. Uma delas foi sua esposa, a imperatriz Alexandra; a outra foi o kaiser Guilherme II, primo do czar flamboyant, que se aproveitou do novo e imaturo governante russo para tirar vantagens a seu favor. A influência nefasta de Guilherme II foi a ruína para Nicolau II, que entrou em guerra com o Japão por causa de seus conselhos; sendo esta uma decisão que acarretaria em dos maiores fracassos da história da Rússia.

O regime czarista era cada vez mais questionado, em especial por movimentos revolucionários que, aos poucos, foram se consolidando. Isto gerava instabilidade no governo de Nicolau II, que, em 1914, teve que enfrentar o assassinato do arquiduque Francisco Fernando de Áustria, em Sarajevo, por parte de sérvios nacionalistas. Nicolau tinha um pacto com os sérvios, o que não lhe permitia satisfazer as demandas compensatórias do Império Austro-húngaro. Em 31 de julho de 1914, ele cometeria um dos maiores erros durante seu reinado: ordenou uma mobilização geral das tropas sobre a fronteira austríaca, o que incitaria a declaração de guerra da Alemanha e, portanto, o início da Primeira Guerra Mundial.

Apesar de o avanço russo ter tido, inicialmente, um êxito respeitável, não demorou a sofrer grandes derrotas, que acabaram tirando a vida de milhões de homens. O segundo grande erro de Nicolau foi quando tentou, pessoalmente, comandar as tropas. Em consequência, deixou o governo nas mãos de sua esposa, a quem o povo detestava tanto por sua origem alemã quanto por sua relação estreita com Rasputín.

Em 1917, por causa dos resultados ruins decorrentes da guerra com a Alemanha e dos incitamentos revolucionários, a situação interna estava muito agitada. Diante disto, Nicolau abdicou de seus direitos e de seus filhos, dando, assim, fim à dinastia Romanov e início à era dos soviéticos.

Nicolau foi preso e confinado, ao lado de sua família, no palácio Tsarkoye Seló, nos arredores de São Petersburgo, mantendo ainda alguns privilégios domésticos. Após a revolução bolchevique de 17 de outubro de 1917, os soviéticos, liderados por Lenin, chegaram ao poder. Em 17 de julho de 1918, o czar, junto com os integrantes de sua família, foi fuzilado pelos soviéticos. Nicolau II morreu com 50 anos de idade.