Sebastião Salgado

Sebastião Salgado

Sebastião Ribeiro Salgado, nascido no dia 8 de fevereiro de 1944, em Aimorés (MG), é um fotógrafo premiado e reconhecido mundialmente por seu estilo único em retratar, em especial, a condição humana em diferentes parte do planeta. Vive em Paris desde o final de década de 60.

Formado em economia pela Universidade de São Paulo, em 1968, tornou-se doutor pela Université de Paris, em 1971. Quando trabalhava na Organização Internacional do Café, em Londres, entre 1971 e 1973, descobriu sua paixão pela fotografia quando fazia uma viagem de trabalho à África. Começou usando a câmera fotográfica de sua mulher, Lélia Wanick Salgado, arquiteta, urbanista e também dedicada ao trabalho de fotografia, direção de arte e curadoria de projetos do marido.

 

Atentado contra Ronald Reagan

A nossa sociedade é muito mentirosa. Ela prega como sendo única a verdade de um pequeno grupo que detém o poder.

Em Paris, passou a fotografar profissionalmente para a agência Sgyma, em 1974. No ano seguinte, foi para a Gamma, onde começou a retratar a vida dos camponeses e índios da América Latina. Em 1979, foi para a renomada Magnum. Quando trabalhava para esta agência, ele foi o único repórter fotográfico a registrar o atentado a tiros cometido por John Hinckley Jr. contra o presidente dos Estados Unidos, Ronald Reagan, no dia 30 de março de 1981, em Washington. Ficou na agência até 1994, quando criou a Amazonas Imagens, ao lado de sua esposa, uma agência exclusivamente voltada ao seu trabalho.

Ao longo dos anos, Sebastião Salgado tem contribuído com organizações humanitárias incluindo o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, (ACNUR), a Organização Mundial da Saúde (OMS), a ONG Médicos sem Fronteiras e a Anistia Internacional.

 

Projetos em mais de 100 países

Você não fotografa com a sua máquina, você fotografa com toda a sua cultura.

Entre os prêmios que já recebeu pode-se citar o World Press (Holanda, 1985), o prêmio Oscar Barnack (Alemanha, 1985 e 1992), o prêmio Erna e Victor Hasselblad (Suécia, 1989), e o prêmio de Fotojornalismo do International Center of Photography (EUA, 1990). Recebeu ainda diversas outras honrarias, sendo representante especial da Unicef e membro honorário da Academia das Artes e Ciências dos Estados Unidos.

Ele já viajou por mais de 100 países para projetos fotográficos que, além de inúmeras publicações na imprensa, foram apresentados em forma de livros. Pode-se citar Trabalhadores (1996), Terra (1997), Serra Pelada (1999), Outras Américas (1999), Retratos de Crianças do Êxodo (2000), Êxodos (2000), O Fim do Pólio (2003), Um Incerto Estado de Graça (2004),  O Berço da Desigualdade (2005), África (2007) e Gênesis (2013) .

 

Documentário 

Sebastião Salgado e Lélia têm dois filhos, Juliano e Rodrigo, que é portador de Síndrome de Down, e o neto Flávio. Juliano, ao lado do diretor alemão Win Wenders, dirigiu o documentário Sal da terra sobre a vida do fotógrafo. A obra foi indicada ao Oscar de melhor Documentário.