Hoje na história

19.mar.1945

Hitler assina o Decreto Nero, que ordenava a destruição da infraestrutura alemã

Em 19 de março de 1945, Adolf Hitler assinou o chamado Decreto Nero. O documento ordenava a destruição da infraestrutura da Alemanha e de países ocupados para evitar que as tropas aliadas (principalmente as soviéticas) tivessem acesso aos territórios nazistas. A ordem foi deliberadamente desobedecida por Albert Speer, arquiteto-chefe e ministro do Armamento do Terceiro Reich.

Esse procedimento é uma tradicional tática de guerra conhecida como "terra arrasada". Ela envolve a destruição de qualquer coisa que possa ser proveitosa ao inimigo enquanto este avança ou recua em uma determinada área. A medida de Hitler se chamava originalmente "Demolições do território do Reich" ("Befehl betreffend Zerstörungsmaßnahmen im Reichsgebiet").  A intenção do ditador era destruir todas as pontes e indústrias alemãs. Mais tarde, o ato ficou conhecido como Decreto Nero, em alusão ao imperador romano que teria incendiado Roma no ano de de 64 d.C. 

Mas o decreto se mostrou inútil. Albert Speer ficou chocado e se recusou a cumprir a ordem, perdendo sua fé no ditador. Hitler só soube disso no final da guerra, quando Speer, que visitava o führer em seu bunker em Berlim, admitiu a ele sua desobediência. O líder nazista ficou furioso com seu ministro, mas permitiu que ele partisse. 

Apesar de Speer não ter cumprido a ordem de Hitler, a tática de terra arrasada foi colocada em prática em menor escala nos dias que antecederam a rendição alemã. A cidade de Bremen foi palco de um desses episódios. No dia 25 de abril de 1945, o exército britânico invadiu a localidade. Desesperados, os nazistas explodiram duas pontes sobre o rio Weser na tentativa de conter as tropas aliadas que avançavam por terra.  A destruição foi em vão, pois os Aliados tomaram a cidade após dois dias de batalha.

Hitler teria cometido suicídio em 30 de abril de 1945, 42 dias após a emissão do decreto. Pouco depois, em 7 de maio de 1945, o general Alfred Jodl assinou a rendição militar alemã, e em 23 de maio Speer foi preso por ordem do general americano Dwight D. Eisenhower, juntamente com o restante do governo provisório liderado pelo almirante Karl Dönitz, o sucessor de Hitler como chefe de estado.

Imagens: Ponte Kaiserbrücke destruída pelos nazistas em Bremen - Bundesarchive, Domínio Público; Decreto Nero, via Wikimedia Commons