Hoje na história

15.Maio.1965

Nasce Raí, ex-jogador de futebol brasileiro e ídolo do São Paulo

No dia 15 de maio de 1965 nascia, em Ribeirão Preto (SP), Raí Souza Vieira de Oliveira, mais conhecido como Raí, ex-jogador de futebol que atuava no meio-campo, além de ser irmão do também jogador Sócrates. Raí iniciou sua carreira no futebol no Botafogo, de Ribeirão Preto, aos 15 anos. Depois, defendeu a Ponte Preta e, no ano seguinte, retornou ao Botafogo-SP. Em 1986 foi convocado para a Seleção Brasileira para jogar a Copa América. Depois disso, foi contratado pelo São Paulo, onde viveu grande fase. Em 1989 foi campeão pelo tricolor do Campeonato Paulista de 1989. Com a chegada de Telê Santana à equipe, em 1990, Raí passou a marcar muitos gols: foram 28 em 1991, sendo 20 no Paulista de 1991. Raí foi o capitão do time no Brasileiro de 1991 e ajudou o São Paulo a conquistar seu terceiro título, em cima do Bragantino de Carlos Alberto Parreira. No ano seguinte, Raí conquistou o bicampeonato brasileiro consecutivo e também os títulos da Libertadores de 1992 e 1993, além dos paulistas destes mesmos anos. Na disputa do Mundial Interclubes de 1992 contra o Barcelona, no Japão, Raí marcou dois gols — sendo o primeiro com a barriga e o segundo em uma perfeita cobrança de falta. Por sua atuação, o meia foi considerado o melhor jogador do mundial. No começo de 1993, Raí foi negociado com o Paris Saint-Germain, da França. Contudo, ele ficou no Brasil até o meio do ano e ajudou o São Paulo a conquistar o título da Libertadores de 1993. Em seu novo time, Raí se tornou um dos grande ídolos do clube francês. Em sua primeira temporada no Paris Saint-Germain ele ainda não era titular absoluto, mas acompanhou o time rumo ao título do Campeonato Francês de 1993-94. Depois, acabou se tornando um dos principais jogadores da equipe na conquista dos títulos da Recopa Europeia de 1996 (finalista em 1997), do Francês de 1995-96, da Copa da França de 1994-95 e de 1997-98, da Coupe de la Ligue de 1994-95 e 1997-98. Raí voltou ao São Paulo em 1998 e reestreou contra o Corinthians na final do Campeonato Paulista. Logo em sua chegada fez um gol de cabeça e se tornou campeão. No entanto, um tempo depois, contra o Cruzeiro, pelo Campeonato Brasileiro, ele rompeu os ligamentos no tornozelo e teve que ficar mais de um ano parado. Depois, contudo, Raí nunca mais voltou à grande fase que o marcou e, aos 35 anos, decidiu se aposentar dos gramados. Apesar de suas passagens marcantes pelo São Paulo e pelo PSG, Raí não teve tanto destaque pela Seleção Brasileira. Ele atuou em 51 partidas, marcando 16 gols. Na Copa de 1994, nos Estados Unidos, entrou no segundo tempo contra Holanda, nas quartas de final, e Suécia, nas semifinais. Após sua aposentadoria, Raí dirige uma entidade chamada Fundação Gol de Letra, ao lado de Leonardo, seu ex-colega de São Paulo e Paris Saint-Germain.

 


 

Foto: Fiúza/ABrderivative work: Yanguas [CC BY 3.0 br], via Wikimedia Commons