23.Abr.1942

Olga Benário Prestes, militante comunista alemã, morre na câmara de gás

Em um dia como este, no ano de 1942, a militante comunista alemã Olga Benário Prestes, de origem judia, era morta na câmara de gás no campo de extermínio de Bernburg, na Alemanha, com mais 199 prisioneiras. Nascida em Munique, no dia 12 de fevereiro de 1908, ela veio para o Brasil na década de 30, pela Internacional Comunista, para apoiar o Partido Comunista Brasileiro. Neste período conheceu Luís Carlos Prestes, com quem teve uma filha, Anita.

No ano de 1935, Prestes e Olga se envolveram no movimento chamado Intentona Comunista, que ocorreu no Rio de Janeiro, Natal e Recife. O Rio foi o palco mais cruel desta tentativa de golpe contra o governo de Getúlio Vargas. De acordo com dados do Exército, morreram 32 homens do 3o. Regimento de Infantaria. Entre um dos fatos mais dramáticos, está a tentativa de conquistar o Regimento de Aviação no Campo dos Afonsos, para capturar aeronaves e bombardear o Rio de Janeiro. Contudo, as forças do governo conseguiram evitar que isso ocorresse. Não demorou muito, o movimento foi reprimido. Getúlio Vargas perseguiu e prendeu os envolvidos. No ano seguinte, Prestes perdeu a patente de capitão e ficou nove anos na prisão. Olga Benário estava grávida e foi deportada e morta, aos 34 anos, na câmara de gás pelo regime nazista. A criança, Anita, nasceu em uma prisão na Alemanha, mas foi resgatada pela mãe de Prestes.

Após a Segunda Guerra Mundial, Olga seria cultuada na Alemanha Oriental como mãe vítima do nazismo. Seu nome foi emprestado a inúmeras praças e ruas tanto na Alemanha como no Brasil e sua efígie consta em selos e moedas.


Imagem: Arquivo Nacional, via Wikimedia Commons