Mês do Mistério

Confira a programação!

TEORIA DA CONSPIRAÇÃO

O "mistério" do astronauta esculpido em uma catedral construída há mais de 300 anos

A figura de um astronauta talhada na fachada da entrada norte da Catedral de Salamanca, na Espanha, impressiona a todos que se deparam com essa representação inusitada. A igreja, construída nos estilos barroco e gótico, foi erguida entre 1513 e 1733. O que explica a presença dessa imagem moderna em uma edificação tão antiga? Teorias envolvendo astronautas antigos, viagens no tempo e acontecimentos sobrenaturais não faltam como tentativas de responder à questão.

A figura está localizada em uma coluna, na entrada da Nova Catedral, e representa um astronauta com botas, capacete e o que parece ser um sistema de respiração em seu peito, com tubos que se conectam a uma mochila na parte traseira de seu traje. Com a mão direita, ele segura uma espécie de vara e com a esquerda se apoia em uma folha. Seu rosto expressa uma perplexidade imutável. No entanto, e apesar do mistério pairar sob uma nuvem de incerteza, a existência do astronauta enigmático da Catedral de Salamanca tem uma explicação bem mais simples. 

A resposta está em uma reforma pela qual a igreja passou em 1992. A “Porta de Ramos”, como é chamada a entrada norte da Catedral, estava bastante danificada devido à ação do tempo. Durante os trabalhos de recuperação, a escultura do astronauta foi acrescentada pelo pedreiro Miguel Romero, sob a orientação do arquiteto Jerómio García de Quiñones, o responsável pela revitalização.

O fato teria obedecido a uma velha tradição, na qual os restauradores costumam incluir algum elemento moderno sempre que a igreja passa por um novo trabalho de restauração. Além da figura do astronauta, também foram esculpidas outras imagens divertidas, como um dragão tomando sorvete. Apesar de haver uma explicação convincente para a presença do viajante espacial na fachada da catedral, muita gente ainda prefere acreditar em teorias da conspiração.


Fonte: Atlas Obscura

Imagens: Marshall Henrie e Appolonia1, via Wikimedia Commons