GRÉCIA

Arqueólogos encontram tabuletas gregas com maldições para invocar o inferno

Uma missão arqueológica em Atenas, na Grécia, descobriu um tesouro no fundo de um poço de mais de 2500 anos de idade. Moedas, taças, artefatos de madeira, recipientes para misturar vinho, panelas e luminárias de barro estão entre os objetos encontrados no local.  No entanto, a descoberta que mais chamou a atenção consiste em 30 tabuletas de chumbo com inscrições de antigas maldições que invocam os deuses do inferno. 

Geralmente essas tabuletas eram colocadas em túmulos para que a maldição se transportasse ao inferno através da alma dos mortos. Mas entre os anos 317 e 307 a.C., foi promulgada uma lei para coibir a “magia negra" e um de seus artigos proibia a colocação de feitiços nos túmulos.  Então, os "amaldiçoadores" tiveram que encontrar uma alternativa.

Especula-se que a população respondeu ao decreto lançando as tabuletas com maldições nos poços, já que acreditava-se que eles proporcionavam acesso direto ao inferno. Segundo os arqueólogos, na Grécia Antiga havia quatro razões principais para amaldiçoar alguém: vencer alguma disputa judicial, obter sucesso nos negócios, ganhar competições esportivas ou por motivos de amor e ódio. 

"A pessoa que encomendava a maldição nunca é mencionada pelo nome (nas tabuletas), apenas seu destinatário é citado", diz Jutta Stroszeck, do Instituto Arqueológico Alemão em Atenas.  Os arqueólogos esperam desvendar a natureza das maldições e descobrir se entre os alvos dos feitiços havia algum ateniense famoso que vivia na cidade durante o final do século IV a.C.


Fonte: Haaretz

Imagens: Jutta Stroszeck/German Archaeological Institute/Reprodução