GENÉTICA

Cientistas descobrem diferenças importantes no DNA de pessoas canhotas

Uma em cada dez pessoas no mundo é canhota. Embora muitas teorias tenham sido construídas para se entender o fenômeno, nenhum estudo genético conseguiu explicar essa particularidade da natureza humana. Recentemente, no entanto, cientistas da Universidade de Oxford, na Inglaterra, encontraram características do DNA que estão mais relacionadas às pessoas canhotas.

Os pesquisadores usaram como base um banco genético britânico de 400 mil pessoas. Pela primeira vez, eles identificaram instruções genéticas vinculadas a canhotos. Essas peculiaridades têm origem na estrutura interna das células envolvidas no funcionamento do cérebro, especialmente nas regiões associadas à linguagem. O estudo sugere que as pessoas canhotas podem ter habilidades verbais mais aprimoradas. 

Por outro lado, ainda que isso não seja conclusivo, a pesquisa revelou que os canhotos teriam um risco ligeiramente maior de sofrer de esquizofrenia, e levemente menor de sofrer de Parkinson. As mutações genéticas das pessoas canhotas são similares às dos caracóis que desenvolvem uma concha em sentido anti-horário, diferentemente de seus congêneres. Essas mesmas mutações são responsáveis por modificar o citoesqueleto das células e a estrutura da chamada substância branca do cérebro. 

Mesmo que o estudo tenha apontado a influência que o DNA exerce na formação de canhotos, é bom lembrar que outros fatores também contribuem para que alguém use mais os membros direitos ou esquerdos. Acredita-se que o que define que uma pessoa seja destra ou canhota dependa 25% da genética e 75% das condições do ambiente onde ela foi criada.


Fonte: BBC

Imagens: Shutterstock.com