EGITO

Cientistas usam fermento de 4.500 anos para recriar pão do Antigo Egito

Uma equipe de cientistas dos Estados Unidos assou um pão com um ingrediente inusitado. Eles usaram amostras de fermento de 4.500 anos, coletada em um pote de cerâmica do Antigo Egito. A experiência foi liderada pelo físico Seamus Blackley, que também é padeiro e egiptólogo amador (além de ter sido um dos criadores do videogame Xbox).

Com a ajuda de Serena Love, doutora em arqueologia, Blackley teve acesso a artefatos egípcios para a produção de pão e cerveja em coleções pertencentes a dois museus de Boston, nos Estados Unidos. Depois disso, o microbiologista Richard Bowman foi convocado para extrair e identificar amostras de fermento.

Na etapa seguinte, nutrientes foram injetados nas cerâmicas egípcias, alimentando as leveduras dormentes e extraindo o líquido resultante. Para se aproximar ao máximo de um autêntico pão egípcio, Blackley usou grãos de cevada que ele próprio moeu, além de utilizar uma forma primitiva de trigo domesticada há cerca de 10 mil anos. Segundo ele, a massa (que foi marcada com um hieróglifo que representa um pão) fermentou e cresceu lindamente.

Blackley descreveu seu pão egípcio como "incrível, doce e ricamente aromático". O pão foi assado em um forno de cozinha convencional, mas os antigos egípcios na verdade preparavam o alimento em panelas de cerâmica. Na próxima etapa do projeto, os cientistas querem recriar antigos potes em estilo egípcio e usá-los para assar a próxima fornada. Toda a experiência foi descrita por Blackley passo a passo no Twitter (em inglês):

 


Fontes: BBC e HuffPost

Imagem: Seamus Blackley/Twitter/Reprodução