DOENÇAS

Conheça Kuru, a misteriosa doença de uma tribo canibal

O povo Fore, de Papua-Nova Guiné, era pouco conhecido até o aparecimento de uma estranha doença neurológica degenerativa.

A comunidade de 20 mil pessoas vive no distrito de Okapa e sobrevive graças à exploração da madeira e da caça de animais selvagens.

[O HISTORY AGORA ESTÁ NO SPOTIFY: CLIQUE AQUI E SIGA-NOS]

 



Eles sofriam de uma patologia chamada Kuru (que, na língua dos Fore, significa “tremor de febre e frio”). A doença foi noticiada pela primeira vez em 1954 pelo explorador australiano W.T. Brown, que relatou em sua visita à região: “o primeiro sinal de uma morte iminente é quando o paciente apresenta fraqueza muscular que se transforma em uma debilidade geral e sérios problemas para ficar de pé... Ele sofre tremores terríveis, para de comer, depois passa o dia inteiro deitado, sem se levantar, até que finalmente morre”.

Inicialmente, ao analisar essa doença, que só se desenvolvia entre os Fore, os pesquisadores acreditaram estar diante de casos da Doença de Creutzfeldt-Jakob, uma encefalopatia transmissível. Depois, perceberam que se tratava de outra doença, de características próprias – mas restava a dúvida de como ela se propagava.

A resposta veio graças a uma pesquisa antropológica, que mostrou que os Fore realizavam rituais funerários nos quais comiam os mortos. Faziam isso para manter a força vital do falecido dentro da comunidade. Desse modo, os homens se alimentavam das mãos e dos pés do cadáver, enquanto as mulheres e as crianças comiam o restante do corpo, especialmente o cérebro. Por esse motivo, as mulheres e as crianças ficavam mais propensas ao contágio, já que se alojava no cérebro o agente infeccioso do Kuru.

Essa doença cruel, de evolução lenta e longa incubação, mas de consequências letais, foi erradicada quando os Fore abandonaram o ritual canibalístico em meados dos anos 70, depois de 10% da população morrer por essa causa.

 

 


Fonte: supercurioso.com
Imagem: Sergey Uryadnikov/Shutterstock.com