mudanças climáticas

Conhecida pelo clima gelado, Sibéria registra temperatura recorde de quase 40° C

A Sibéria é conhecida mundialmente por seu clima gélido. Apesar disso, a região está sofrendo com uma onda de calor sem precedentes. No dia 20 de junho, a cidade de Verkhoyansk registrou a temperatura recorde de 38° C, de acordo com diversas estações meteorológicas.

Caso seja confirmada por órgãos oficiais, essa é a maior temperatura já registrada acima do Círculo Polar Ártico. Habitada por cerca de 1300 pessoas, Verkhoyansk tem uma das maiores variações térmicas do planeta. No inverno, sua temperatura média é de - 49° C. Em verões passados, os termômetros de lá já haviam registrado 37.2° C

De acordo com os cientistas, o mês de maio de 2020 foi o mais quente já registrado na Sibéria. A temperatura média esteve 10° C acima do que as medições observadas entre 1979 e 2019. Segundo a Copernicus Climate Change Service, entidade que monitora mudanças climáticas, essa elevação na temperatura média aconteceu não somente em maio, mas durante todo a primavera e inverno siberianos.  "É sem dúvida um sinal alarmante", disse Freja Vamborg, pesquisador que atua no órgão.

As altas temperaturas que atingem o Ártico no verão do hemisfério norte estão causando transtornos na Sibéria. Na República de Sakha, região onde está situada Verkhoyansk, já foram registrados 31 incêndios que queimaram 358.472 hectares de florestas. Autoridades russas também culpam o derretimento da camada permanente de gelo pelo derramamento de 20 mil toneladas de diesel em um rio siberiano. O degelo teria afundado o terreno onde o combustível era armazenado, provocando o acidente ambiental.


Fonte: Live Science

Imagem: Shutterstock.com