ASTROFÍSICA

Dança de estrela ao redor de buraco negro prova que teoria de Einstein estava correta

Pesquisadores do Observatório Europeu do Sul (ESO) observaram pela primeira vez uma estrela orbitando o buraco negro supermassivo Sagitário A *, situado no centro da Via Láctea. Segundo os cientistas, esse movimento em forma de dança estelar ocorre exatamente como previsto pela teoria da relatividade geral de Albert Einstein, provando que o gênio estava correto. O estudo foi feito a partir de imagens registradas pelo Very Large Telescope (VLT), maior conjunto de telescópios ópticos do mundo.

O Sagitário A * fica localizado a 26 mil anos-luz do Sol. Com um denso aglomerado estelar ao seu redor, ele é uma rica fonte de informações para os astrofísicos. Uma das estrelas a sua volta, chamada S2, contorna o buraco negro supermassivo a uma distância de 20 bilhões de quilômetros (120 vezes a distância entre o Sol e a Terra). Isso faz dela uma das estrelas mais próximas já encontradas na órbita do Sagitário A *.

Segundo os cientistas, a estrela orbita o buraco negro em forma de uma roseta e não de uma elipse. De acordo com Reinhard Genzel, diretor do Instituto Max Planck de Física Extraterrestre (MPE), esse efeito, visto pela primeira vez na órbita do planeta Mercúrio ao redor do Sol, foi a primeira evidência a favor da teoria da relatividade geral de Einstein. "Cem anos depois, detectamos o mesmo efeito no movimento de uma estrela que orbita a fonte compacta de rádio Sagitário A * no centro da Via Láctea", afirmou Genzel. 

A descoberta também reforça a evidência de que Sagitário A * é um buraco negro supermassivo com 4 milhões de vezes a massa do Sol. O resultado da pesquisa é fruto de 27 anos de observações da estrela S2. O estudo foi conduzido por uma equipe internacional liderada por Frank Eisenhauer, do MPE, com colaboradores da França, Portugal e Alemanha.


Fonte: ESO

Imagem: ESO/L. Calçada/Divulgação