EXTRATERRESTRES

A história do astronauta da NASA que acreditava em extraterrestres

Muitos habitantes da Terra acreditam na existência de habitantes em outros planetas.

Isso não é raro, e quem cultiva essa crença a tem com grande convicção. Imaginemos, então, por um instante a profundidade da crença em ETs de uma pessoa que ultrapassou os limites do planeta. Esse é o caso de Edgar Mitchell, conhecido por ser o sexto humano a pisar na Lua, como parte da tripulação de Apolo 14. Mitchell passou 33 horas na superfície do satélite, coletando amostras de rochas e poeiras para o seu estudo científico.

[O HISTORY AGORA ESTÁ NO SPOTIFY: CLIQUE AQUI E SIGA-NOS]

 



Após essa experiência, o astronauta afirmou ter vivido uma epifania espacial: durante a viagem, teria sentido uma “sensação extraordinária de unidade, de conexão”.

Pouco tempo depois, abandonou a NASA e fundou o Institute of Noetic Sciences com o objetivo de estudar “a transformação individual e coletiva por meio da pesquisa da consciência”.

Em 2009, durante uma conferência de ufologia, Mitchell explicou: “Não estamos sós. Nosso destino, em minha opinião, é nos tornamos parte da comunidade planetária. Temos que estar dispostos a ir mais além do nosso planeta e do nosso sistema solar para ver o que está acontecendo lá fora”.

Seu relato não se deteve em uma série de impressões meramente pessoais, que poderiam ser interpretadas de uma perspectiva espiritual, mas se estendeu ao contexto político: Mitchell afirmou que o governo dos EUA ocultava sistematicamente as provas de existência de vida extraterrestre que tinha em seu poder.

Reconhecido por suas capacidades como astronauta, ele foi considerado por alguns, depois de sua epifania, um delirante; e por outros, como sua filha, um “herói no sentido clássico do termo”. Edgar Mitchell morreu no dia 16 de fevereiro deste ano, um dia antes da comemoração do 45º aniversário de sua chegada à Lua. 

 

 


Fonte: Muy Interesante 
Imagem: NASA [Domínio Público], via Wikimedia Commons