GUERRAS MUNDIAIS

A ilha da morte britânica

A pequena da Ilha de Gruinard, no noroeste da Escócia, serviu de cenário para um experimento bacteriológico macabro do governo britânico na Segunda Guerra Mundial.

Com apenas 2 km de comprimento por 1 km de largura, o local recebeu em 1942 uma linhagem particularmente virulenta de antraz, o Vollum 14578, para avaliar a possibilidade de usá-la no ataque a cidades alemãs. As 80 ovelhas levadas ao local para o experimento morreram pouco tempo depois de terem sido expostas aos esporos.

Uma vez finalizados os testes, a ilha foi declarada em quarentena e qualquer entrada humana foi proibida por mais de 40 anos. A contaminação por antraz é tão forte e duradoura que as autoridades consideravam inviável a descontaminação do local.


Em 1981, em uma intervenção clandestina chamada Dark Harvest Operation (Operação Colheita Obscura), um grupo de microbiologistas roubou pequenas amostras de solo infectado da ilha e ameaçou depositá-las em sedes governamentais se as autoridades não procedessem na limpeza da área.

Em 1990, após quatro anos de trabalho árduo, a ilha foi declarada livre de vestígios de antraz. Embora o lugar possa ser visitado normalmente nos dias de hoje, muitos especialistas insistem que não é possível afirmar com segurança que o perigo biológico tenha desaparecido.



Fonte: Wikipedia

Imagens: MARTAFR/Shutterstock.com