SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

O misterioso esqueleto milenar disputado por nazistas e soviéticos

A identidade de um esqueleto encontrado na República Tcheca intriga pesquisadores há décadas. Os restos mortais foram descobertos em Praga e tudo indica que sejam de um guerreiro enterrado há cerca de mil anos. As dúvidas sobre a etnia do misterioso homem causaram até mesmo uma disputa entre nazistas e soviéticos. Mas qual é o motivo de tanta controvérsia?

O esqueleto foi encontrado pelo arqueólogo Ivan Borkovsky em 1928, no Castelo de Praga. O guerreiro foi enterrado segurando uma espada com a mão direita e com duas facas perto da mão esquerda. O tipo da espada sugeria que os restos mortais eram de um viking. Já as facas indicariam que ele teria origem eslava.

Depois que os nazistas ocuparam Praga, em 1939, eles se apropriaram da teoria de que o esqueleto era de um viking, com o objetivo de usá-lo como propaganda política. Isso porque os vikings eram nórdicos e, portanto, germânicos. Para os nazistas isso era uma prova de que o território era deles por direito, ou seja, estariam apenas retomando algo que sempre pertenceu a eles. Borkovsky teria sido forçado a publicar um estudo corroborando a tese, sob pena de ser mandado a um campo de concentração caso recusasse a tarefa.

Após o fim da Segunda Guerra, Praga ficou sob controle militar e político da União Soviética. Foi quando Borkovsky teria sido obrigado a mudar sua versão para a origem do esqueleto, sob ameaça de ser enviado a um gulag. O arqueólogo alegou que só havia dito que os restos mortais eram vikings por pressão dos nazistas. Agora ele afirmava que o guerreiro pertencia à dinastia eslava Premyslid, que governou a região da Boêmia por mais de 400 anos, até 1306. Ou seja, ele seria um glorioso antepassado dos soviéticos.

Hoje em dia, longe de disputas ideológicas, pesquisadores usam a ciência para tentar desvendar o mistério. Análises dos dentes do guerreiro indicam que ele não era natural da Boêmia. Os resultados sugerem que ele veio do norte da Europa, possivelmente da Dinamarca ou da região ao sul do Mar Báltico. Apesar de esse território ter sido primordialmente ocupado pelos vikings, isso não quer dizer que a origem do homem tenha sido revelada. O arqueólogo Jan Frolik explica que naquele tempo a região também abrigava eslavos e tribos bálticas.

Frolik acredita que o guerreiro tenha vindo do norte para servir no ducado de Borivoj I, o primeiro duque da Boêmia e fundador da dinastia Premyslid, ou a seu filho e sucessor, Spytihnev I. Os Premyslid estabeleceram o Castelo de Praga como o centro do Estado da Boêmia e, como o homem misterioso foi enterrado lá, isso pode indicar que ele era alguém importante. Mas ele era viking ou eslavo, afinal? Por enquanto, a resposta permanece inconclusiva. Novas análises de DNA ainda podem ajudar a esclarecer a questão.


Fonte: The Guardian

Imagem: Institute of Archaeology of the CAS, Prague Castle Excavations/Reprodução