saúde

Pesquisadores brasileiros são premiados pelo desenvolvimento de leite materno em pó

Pesquisadores da Universidade Estadual de Maringá (UEM), no Paraná, desenvolveram um método para transformar o leite materno em pó. De acordo com seus criadores, o processo preserva todos os principais nutrientes do alimento essencial aos bebês. O trabalho rendeu um prêmio a seus criadores.

O projeto, desenvolvido pelo professor Jesuí Vergílio Visentainer e pela nutricionista Vanessa Javera, doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência de Alimentos da UEM, recebeu o Prêmio Péter Murányi, oferecido a trabalhos que melhorem a qualidade de vida das populações em desenvolvimento. O produto poderá servir como alternativa para os bancos de leite humano. No Brasil, 45% dos recém-nascidos que precisam de leite materno doado não têm acesso a ele, segundo o Ministério da Saúde. Isso porque o país sofre com o baixo número de doadoras e com o desperdício do leite devido a problemas de transporte e armazenamento.

Como o leite humano in natura é altamente perecível, a utilização do produto em forma de pó pode trazer vários benefícios. Um deles seria a melhoria do armazenamento e transporte, já que ele é muito mais resistente que o leite líquido à contaminação microbiana e tem seu período de conservação prolongado. Outra vantagem diz respeito a uma potencial melhoria na distribuição do material, já que o leite humano em pó poderá ser distribuído para unidades distantes dos setores de coletas. Além disso, poderia haver uma economia de gastos, pois o processo de conservação do produto in natura é muito custoso

No desenvolvimento do leite em pó foram utilizadas as técnicas de liofilização (a água que está congelada/sólida nas amostras é transformada em fase gasosa) e a técnica “spray drying” (secagem por pulverização). Esse processo preserva as propriedades do leite materno, considerado um alimento completo, rico em componentes nutricionais, fatores imunológicos e microbiota. Para a Fundação Péter Murányi, promotora do prêmio, o produto pode ser uma opção clínica e social na manutenção e ampliação do aleitamento materno, que é muito importante para a saúde das crianças. 


Fontes: Saúde e Universidade Estadual de Maringá

Imagem: Shutterstock.com