Ta Na História

Quando um quadro famoso de Van Gogh foi parar em um galinheiro

Por Thiago Gomide

Parceria HISTORY e Ta Na História

Em um surto psicológico, Van Gogh decepou a própria orelha.

Ele estava morando no interior da França.

Mesmo sangrando muito, ele foi e deu a orelha para Rachel, uma prostituta que, digamos, ele gostava muito.

A mulher desmaiou na hora.

Uma das primeiras pessoas a tratá-lo foi um estagiário do Hôtel Dieu, na capital francesa. É o hospital mais antigo de Paris. Foi fundado em 661.

Félix Rey, o estagiário, tinha pouco mais de 20 anos quando viu aquele homem sem orelha sofrendo muito.

Mais do que um tratamento médico, Félix Rey ficou conversando com Van Gogh, indicando saídas para os múltiplos problemas do artista.

Van Gogh gostou tanto do papo com garoto que resolveu presenteá-lo com um quadro, o famoso Retrato de Félix Rey. Ele pintou a obra em 10 dias. Estamos em 1889.

O estagiário não curtiu muito o resultado e tentou empurrar para outro médico do hospital, que também não quis.

Sem ter o que fazer, Félix acabou levando o quadro pra casa dos pais.

Os pais do Félix também não gostaram. Meu Deus. Os pais do Félix colocaram o quadro em um quartinho isolado.

Pouco tempo depois, a casa foi alugada e tiveram que achar um canto para aquele presente.

Pensa daqui, pensa dali. 

Por qual não colocar no lugar de uma vidraça que protegia o galinheiro na casa de campo?

Quer saber como o quadro foi encontrado? Quer saber qual foi o trajeto depois do galinheiro? Onde ele está hoje em dia? Aperta o play!

 


 

THIAGO GOMIDE é jornalista e pesquisador. Foi apresentador e editor do Canal Futura e da MultiRio, ambos dedicados à educação. Escreveu e dirigiu o documentário "O Acre em uma mesa de negociação". Além de ser o responsável pelo conteúdo do Tá na História, atualmente edita e apresenta o programa A Rede, na Rádio Roquette Pinto ( 94,1 FM - RJ). 

A proposta do Tá na História é oferecer conteúdos que promovam conhecimento sobre personagens e fatos históricos, principalmente do Brasil. Tudo isso, claro, com bom humor e muita curiosidade.