AMAZÔNIA

“Rios voadores” transportam o equivalente a um Rio Amazonas pelo ar

Fenômeno garante a sobrevivênvia em boa parte da América do Sul. 

Vídeo relacionado:
Provenientes do Oceano Atlântico e alimentados pela umidade extrema que é evaporada da região amazônica, os massivos fluxos aéreos de água em forma de vapor são conhecidos como “rios voadores”.

São verdadeiros rios de umidade atmosférica que sobrevoam o Amazonas em grande velocidade até chegarem à cordilheira dos Andes, a mais de 3 mil quilômetros de distância, provocando chuvas fortíssimas.

Essas chuvas são vitais para o sul do Brasil, para o Uruguai, Paraguai e o norte da Argentina, permitindo a expansão da produção agrícola e a subsistência de milhões de seres humanos.

José Marengo, meteorologista do Cemaden (Centro Nacional de Monitoramento e Alerta de Desastres Naturais), e Antonio Nobre, pesquisador do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), explicam o fenômeno:

“O Oceano Atlântico tropical norte é quente e sua evaporação é muito intensa. De lá, saem ventos mais ou menos fortes, os alísios, que transportam toda essa umidade pelos níveis mais baixos da atmosfera”, afirma Marengo.

“Quando um rio voador chega aos Andes, ele adquire uma velocidade maior no seu núcleo, transportando uma quantidade maior de umidade de forma mais rápida. Ele, então, faz uma curva para o sudeste e chega à Bacia do Rio da Prata, produzindo chuvas desse tipo”.

Além disso, os especialistas explicam que outro componente essencial dos rios voadores é a umidade liberada pelas árvores da selva amazônica. Eles disseram que uma árvore mais ou menos frondosa pode transpirar mais de mil litros de água por dia.


Fonte: BBC

Imagem: Shutterstock