Antigo Egito

Tecnologia moderna desvenda assassinato do faraó Ramsés III

Um antigo mistério sobre um faraó do Egito parece ter sido solucionado com a ajuda da tecnologia moderna. Durante décadas, os especialistas haviam debatido sobre o destino de Ramsés III, que reinou como o segundo faraó da XX Dinastia do Antigo Egito, de 1186 até 1155 a.C. Tudo o que se sabia, por meio de um papiro conservado em Turim, era que Ramsés III havia sido vítima de um complô para assassiná-lo, conhecido como a Conspiração do Harém.

O tal complô envolveria sua esposa, a rainha Tiye, e funcionários de alto escalão do Império. Tiye pretendia assassinar o faraó para colocar seu filho Pentaweret no poder. No entanto, os arqueólogos nunca conseguiram determinar se a Conspiração do Harém teria tido sucesso, ou se Ramsés III teria encontrado a morte de uma forma menos traumática.  

Mas agora, ao notar que o pescoço da múmia estava muito enfaixado, os arqueólogos realizaram uma tomografia computadorizada que revelou que Ramsés III tinha uma ferida na garganta, tão profunda que chegava até as vértebras do pescoço. Também foi descoberto que seu dedão esquerdo havia sido cortado por um machado.

Estas descobertas, divulgadas por um programa do canal britânico de TV Channel 5, sugerem que o faraó foi assassinado por várias pessoas e que a Conspiração do Harém foi bem-sucedida. No entanto, os especialistas acreditam que Pentaweret foi obrigado a se suicidar e ninguém sabe o que aconteceu com a rainha Tiye.


Fonte:  The Sun

Imagem: Channel 5/Reprodução