SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

A triste história do massacre britânico dos bichos de estimação durante a Segunda Guerra

O massacre dos bichos de estimação foi um episódio da Segunda Guerra Mundial que continua pouco conhecido. No início do conflito, 750 mil animais domésticos foram mortos em apenas uma semana na Grã-Bretanha. As mortes aconteceram após uma campanha governamental. 

Em 1939, pouco antes da eclosão da guerra, o governo britânico criou um comitê para decidir o que fazer com os bichos de estimação durante o conflito iminente. Esse órgão, chamado National Air Raid Precautions Animals Committee (NARPAC) publicou um panfleto com orientações à população. A campanha foi veiculada em quase todos os jornais e pela rádio BBC. 

"Se possível, transporte seus animais domésticos para o interior do país antes que aconteça uma emergência", dizia a publicação. "Se você não puder colocá-los sob a proteção de vizinhos, seria mais misericordioso sacrificá-los", completava o texto.  O panfleto causou pânico em parte da população.  

Quando a Grã-Bretanha entrou oficialmente em guerra, no dia 3 de setembro daquele ano, muita gente levou seus bichos de estimação para serem sacrificados em clínicas veterinárias e abrigos de animais. "As pessoas foram basicamente instruídas a matar seus animais de estimação e foi isso que elas fizeram. Mataram 750 mil deles no período de uma semana - foi uma verdadeira tragédia, um desastre completo", disse Christy Campbell, coautor de dois livros sobre animais britânicos durante a guerra.

"As pessoas estavam preocupadas com a ameaça de bombardeios e escassez de alimentos e achavam inapropriado se dar ao luxo de ter um animal de estimação durante a guerra", afirmou Pip Dodd, curador sênior do Museu Nacional do Exército. Mesmo assim, a publicação do panfleto gerou reações negativas e protestos por parte de veterinários e de membros da sociedade civil, que achavam desnecessário matar os bichos.  

Segundo a historiadora Hilda Kean, não era a intenção do NARPAC causar o massacre de bichos de estimação. O comitê alegou que originalmente havia dado instruções específicas para o sacrifício de animais agrícolas. Para tentar minimizar o estrago, o órgão emitiu um aviso esclarecendo que "aqueles que permanecerem em casa não devem matar seus animais". Mas já era tarde demais, milhares deles acabaram mortos. 


Fontes: BBC e Atlas Obscura

Imagem: Tomlin H W/Royal Navy, via Wikimedia Commons