GUERRAS MUNIDAIS

Heinrich Himmler

Heinrich Himmler, comandante e chefe da SS, foi um dos maiores criminosos de guerra da história, sendo o autor intelectual e executor do projeto que matou mais de seis milhões de judeus.

Himmler nasceu em 7 de outubro de 1900, em Munique, Alemanha. Seu pai lhe passou o amor pelos antepassados germânicos, a devoção pela ordem, pela extrema limpeza e administração eficiente. Desde pequeno, Himmler sofreu de tuberculose e problemas estomacais. Devido a isso, nunca conseguiu desenvolver seu corpo para aptidões físicas e viris, como se exigia dentro de um ambiente predominantemente prussiano.

Durante a Primeira Guerra Mundial, solicitou ser alistado, porém nunca conseguiu ser convocado devido à sua miopia. Participou no fracassado golpe de estado de Munique, apoiando o Partido Nazista de Adolf Hitler, a quem via como um messias. Foi um dos primeiros a ingressar nas recém formadas SS, com o número 168. Até então, as SS eram compostas por não mais do que 280 pessoas. Em 6 de janeiro de 1929, Adolf Hitler o tornou chefe das SS e, ao final de 1933,  já contava com um contingente de mais de 209 mil membros.

As tarefas da sua divisão eram de espionagem, porém, pouco a pouco, se somaram mais unidades, tornando-a uma força de amplo alcance. Liderou a invasão à Polônia em 1939, começando ali a sua politica racial e antissemita. Assim, esteve no comando da parte executiva do programa de eugenia que Hitler havia concebido. Seguidamente desse plano, incluiu a perseguição a judeus, ciganos e negros como extensão do programa.  Himmler não colocava nenhum obstáculo quando os médicos e cientistas inscritos nas SS solicitavam ampliar seus experimentos com humanos saídos dos campos de concentração.

Bem-visto por Hitler, criou a Sociedade da Herança Ancestral, onde estudava-se as árvores genealógicas dos antepassados alemães, em busca das origens da raça ariana. Himmler descobriu que seus antepassados eram uma mescla de nórdicos e mongóis, o que o levou a tentar justificar o seu sangue buscando as raízes arianas nesses países. Paralelamente, Himmler criou a Comissão para a Curadoria e o Cuidado do Reich, uma iniciativa pessoal de Hitler, cuja função era a eliminação dos alemães incapacitados ou portadores de deficiência.

Devido ao enorme esforço bélico imposto pela produção de guerra, Himmler buscou mão de obra escrava nos campos de concentração e nas prisões do Leste. As condições de trabalho desses prisioneiros-escravos eram sub-humanas, aplicando-se a política de autoextermínio por trabalho forçado.

Em 1945, quando Hitler nomeou-o comandante das forças da Vístula, demonstrou sua escassa experiência e falta de conhecimento militar. Seus erros custaram milhares de vida alemãs. Durante as reuniões de coordenação, usava palavras como "reagrupamento", "retirada programada", entre outros termos militares sem ter o menor domínio da situação, o que frustrava os demais oficiais alemães.

Após o sítio de Berlim pelos russos, Himmler era o primeiro na lista de mais procurados. Foi capturado por uma unidade britânica perto do porto de Bremen. Após tentar forjar uma nova identidade por alguns dias, finalmente ele se identificou por seu verdadeiro nome e solicitou falar pessoalmente com o General Eisenhower,  ou Montgomery. Ao inspecioná-lo com o corpo desnudo, um médico o fez abrir a boca, viu algo estranho entre seus molares e tentou retirá-lo.  Antes disso, Himmler mordeu a mão do médico, quebrando a cápsula de cianureto. Tendo sobrevivido, Himmler foi punido nos julgamentos de Nüremberg, acusado de ser o maior dos criminosos nazistas contra a humanidade.