Hoje na história

04.mar.1897

Morre Antônio Moreira César, militar brasileiro

No dia 4 de março de 1897 morria o militar brasileiro Antônio Moreira César após ser ferido mortalmente durante a campanha em Canudos, na Bahia. Filho do padre Antônio Moreira César de Almeida e de Francisca Correia de Toledo, ele nasceu no dia 7 de julho de 1850, em Pindamonhangaba (MG). Quando jovem, Moreira César esteve envolvido no assassinato do redator-chefe do jornal “Corsário”, Apulcro de Castro, morto por militares no centro do Rio de Janeiro em 1884. Apesar do crime, em 1891, ele já havia chegado ao posto de tenente-coronel e participou da derrubada do presidente da Bahia, José Gonçalves da Silva. No mesmo ano, ocupou o cargo de chefe da polícia baiana e, no ano seguinte, assumiu como comandante do 7° Batalhão de Infantaria. Moreira César também teve atuação decisiva contra a revolta da armada, quando marinheiros brasileiros se revoltaram e apontaram seus canhões contra o Rio de Janeiro. A revolta começou em setembro de 1893, na capital fluminense, e se estendeu à região Sul, até março de 1894. Moreira César armou um cerco na Ilha de Villegaignon para retormar a Ilha do Governador. Seu trabalho foi reconhecido por Floriano Peixoto, então vice-presidente da república. Com isso, Moreira César também foi designado para combater a Revolução Federalista, no Rio Grande do Sul, entre os anos de 1893 e 1895. O militar reprimiu os rebeldes federalistas e outros suspeitos, sendo que alguns deles foram sumariamente executados. Depois, Moreira César recebeu a missão de reprimir a revolta de Canudos. Ele era o chefe da terceira expedição, em 1897, já que o governo fracassara nas duas tentativas anteriores. Após alguns estudos, Moreira César resolveu atacar o arraial de Canudos imediatamente. Em cinco horas de combate, foi atingido na região no ventre e não resistiu aos ferimentos.